Sobre

domingo, 19.11 00h08

Laboratório What Remains (instalação performativa)

de Lynda Rahal (França)

  • “Entre os veículos da narrativa estão linguagem articulada, … imagens, estáticas  ou em movimento, gestos e uma mistura ordenada de todas essas substâncias; narrativa está presente no mito, lenda, fábulas, contos, histórias curtas, épicos, história, tragédia, … comédia, pantomima, pinturas, … vitrais, filmes, notícias locais, conversas. Além disso, nesta infinita variedade de formas, está presente em todos os momentos, em todos os lugares, em todas as sociedades; de fato, a narrativa começa com a própria história da humanidade; não há, nunca houve em nenhum lugar, pessoas sem narrativa…” Roland Barthes, An introduction to the structure analysis of narrative (uma introdução à análise estrutural da narrativa)

What Remains (O que resta), é uma performance instalação de desempenho em grupo que tenta combinar práticas documentais, narração e autoficção em um dispositivo coreográfico.
Este projeto de pesquisa é uma reflexão sobre a construção da identidade social e cultural quando a própria identidade de alguém é desarraigada. Através de histórias de encarnação e reapropriação cultural, tentaremos questionar, multiplicar e apresentar como entendemos a nós mesmos.

Como personificamos histórias que não nos pertencem?
Como canibalizamos? Como damos aos corpos novas alteridades?
Como reconstruímos nossa própria narrativa através do prisma dos outros?

Com base em narrativas e práticas de movimento coletivo, estou interessada no potencial de reescrever a linha entre a história pessoal e coletiva.
Ao usar formatos de fala, de anedotas a notícias misteriosas, fatos históricos, tradições e mitos contemporâneos, memórias / lembranças pessoais e histórias recolhidas nas redondezas da cidade e nas mídias sociais de forma ventriloquista, vamos especular sobre história, criar ficções e novos paradigmas, experimentar a relação de corpos cinestésicos e deixar fundir corpos singulares e híbridos, no ponto de junção entre o que somos e o que encarna, entre o verbal e o não verbal, entre a realidade e a ficção.

Nessas duas semanas, eu apresentarei aos participantes algumas práticas especulativas que comecei a desenvolver na primeira parte desta pesquisa: práticas baseadas e emprestadas de campo adivinhatório, cartas de tarot de marselha, leituras oracle, numerologia, leitura de linhas das mãos… Enfatizaremos práticas de voz e discursos, narração de histórias, práticas de canto de coro e rituais de movimento coletivo.

  • What Remains é o segundo ato de um projeto maior entitulado Glissements de Terrains  um projeto coreográfico em vários atos que questiona o lugar do documento e o documentário dentro do ato artístico. Uma série de performances que criam e confrontam contextos e práticas para tentar transmitir a complexidade política de um país.
  • Glissement de Terrains tenta inventar histórias das formas em que vemos um lugar, uma cultura, uma paisagem ou outras pessoas, para comparar nossa visão atual com nossa visão passada, tornando-se tanto investigador e o objeto de sua própria investigação.

Como as histórias e a história são criadas e formadas? Como podemos contá-las?

Glissement de Terrains pretende criar uma espécie de arquipélago-arquivo, uma assembléia-colagem entre documentos descobertos e documentos inventados, documentos citados e documentos relacionados a experiência da vida real.

No primeiro ato, Terrain#1, meu ponto de partida foi minha descoberta do Líbano através de um antigo cartão postal encontrado nos arquivos familiares. A foto de um lugar, uma paisagem desconhecida e uma multitude de histórias relacionadas a elas. Em março de 2015, graças ao fundo de ajuda à mobilidade Roberto Cimetta, fui nesta primeira jornadaao Líbano para sentir fisicamente a terra e desenhar um mapa subjetivo com base na experiência corporal. O trabalho de pesquisa foi centrado em torno de uma biblioteca de arquivos e documentos reunidos durante esta viagem e na internet. Uma coleção de arquivos de áudio e visual, textos, entrevistas, notas de trabalho e travelogs. Estes documentos, constituídos como unidades separadas, devem ser inter-relacionados para explorar seus potenciais de evocação e sugestão. Através de entrevistas e fotografias, Terrain#1 esboça os contornos e as perspectivas de um país paradoxal e experiências com polifonia.